Rio+20: ONU critica falta de cumprimento de metas ambientais antes do evento
11 de Junho de 2012 • Atualizado às 10h23

A agência das Nações Unidas fez uma advertência mundial nesta segunda-feira (11). Segundo o órgão, o mundo continua a percorrer um caminho insustentável, apesar de centenas de objetivos acordados internacionalmente para proteger o planeta.

“Se as tendências atuais continuarem, se os padrões atuais de produção e consumo dos recursos naturais prevalecerem e não puderem ser revertidas, então os governos irão presidir níveis sem precedentes de danos e degradação”, declarou Achim Steiner, diretor executivo do Programa Ambiental das Nações Unidas (Unep, da sigla em inglês).

Recentemente, ao ser realizada a quinta edição da Perspectiva de Desenvolvimento Global (GEO 5), 90 das metas mais importantes foram analisadas. A conclusão foi de que apenas quatro delas haviam apresentado um progresso significativo: eliminar a produção e utilização de substâncias que empobrecem a camada de ozônio, remoção do chumbo dos combustíveis, aumentando o acesso às fontes de água, e fomentar a investigação para reduzir a poluição do ambiente marinho.

Segundo a avaliação, enquanto algum progresso foi apresentado em 40 objetivos, outros 24 apresentaram pouco ou nenhum desenvolvimento. Entre os alvos ignorados estão estratégias relacionadas às alterações climáticas, à desertificação e à seca. Oito metas apresentaram deterioração, o cuidado com os recifes de corais está entre elas.

A avaliação enfatiza que os países ainda podem atingir as metas de sustentabilidade se as políticas atuais forem reforçadas e exemplos bem-sucedidos forem apresentados com o intuito de promover e incentivar outras ações.

O GEO 5 foi produzido durante um período de três anos e contou com a colaboração de mais de 600 especialistas em meio ambiente. “O GEO 5 lembra os líderes mundiais e as nações reunidas na Rio+20 que é necessário haver uma transição decisiva e definidora para um baixo teor de carbono, em termos de recursos, o trabalho de geração de economia verde é urgentemente necessária”, disse Steiner. “A evidência científica construída ao longo de décadas é esmagadora e deixa pouco espaço para dúvidas.”

O diretor executivo do Unep ainda ressaltou a necessidade de haver união entre os povos em prol de um objetivo comum. “A Rio+20 é um momento para transformar o desenvolvimento sustentável de aspiração e aplicação irregular em um autêntico caminho de progresso e prosperidade para esta e as próximas gerações que virão”, declarou.

Mais de cem chefes de Estado e de Governo, juntamente com milhares de parlamentares, prefeitos e funcionários da ONU, diretores executivos e líderes da sociedade civil são esperados para participar do evento para moldar novas políticas para promover a prosperidade, reduzir a pobreza e promover a equidade social e proteção ambiental.



Faça você mesmo

institucional capa | quem somos | cadastre-se | sugestão de pauta | como anunciar | contato
canais meio ambiente | tecnologia | arquitetura | mídia e negócios | desenvolvimento | vida sustentável | cidadania | bike | faça você mesmo | vídeos

CicloVivo - Plantando notícias | Todos direitos reservados 2014.