População ribeirinha se une para salvar afluentes do rio São Francisco
05 de Dezembro de 2012 • Atualizado às 13h20

Cerca de 300 famílias estão engajadas para recuperar o ecossistema dos afluentes do rio São Francisco. Dentre as iniciativas tomadas pelos ribeirinhos, está a criação de pequenas represas e medidas de reflorestamento das margens dos rios.

Conhecido como o “rio da integração nacional”, o São Francisco é a bacia hidrográfica mais importante do nordeste. Na região de seu curso, foram construídas nove usinas hidrelétricas, que não trouxeram o desenvolvimento necessário às comunidades que vivem às margens do rio. Além disso, os ribeirinhos dizem que as autoridades nem sequer executam ações de conservação ambiental na região – apenas fazem poucos investimentos em saneamento básico.

Se os governantes não tomam medidas eficazes para o desenvolvimento sustentável da Bacia do São Francisco, as comunidades ribeirinhas estão desenvolvendo uma série de esforços para preservar a área, sobretudo, nos afluentes e subafluentes do maior rio do nordeste.

Em 2001, as famílias que viviam às margens do Rio dos Cochos (MG) começaram a reagir à degradação da área. Apoiados pela Cáritas, organização católica que incentiva mobilizações de desenvolvimento igualitário em todo o país, o movimento cresceu e passou a congregar cerca de 300 famílias de ribeirinhos.

Em 2004, o grupo começou a construir as “barraginhas”- pequenas represas circulares que beiram as estradas e armazenam as águas das chuvas. Elas impedem o entupimento do rio, causado pelos sedimentos que se acumulam no leito. Hoje, existem 850 “barraginhas”, que também distribuem a água das chuvas para os lençóis freáticos. A estratégia de represamento de água é importante para as comunidades locais, já que, na região semiárida, o índice pluviométrico varia entre 250 e 750 milímetros por ano.

Há três anos, os ribeirinhos também unem esforços para preservar as matas da caatinga: eles estenderam uma cerca a 30 metros do leito do rio, a fim de manter a vegetação original. Não precisaram ser plantadas novas árvores, apenas proibir a entrada dos gados na mata, já que a atividade pecuária é uma das maiores vilãs da vegetação local.

A extração de carvão, a monocultura e a atividade pecuária são os fatores responsáveis pela deterioração do rio São Francisco e de seus afluentes. Isso porque o desmatamento das matas ciliares faz com que aumente o número de sedimentos que se depositam no fundo dos rios. Quando acumulados, os resíduos interferem no fluxo das águas, secando as nascentes.Com informações do Tierramérica.

Redação CicloVivo



Faça você mesmo

institucional capa | quem somos | cadastre-se | sugestão de pauta | como anunciar | contato
canais meio ambiente | tecnologia | arquitetura | mídia e negócios | desenvolvimento | vida sustentável | cidadania | bike | faça você mesmo | vídeos |

CicloVivo - Plantando notícias | Todos direitos reservados 2013.